23 fevereiro, 2011

oração em verso

são como
     o que chamam bênção
o que acontece
     quando acontece
assim de sair
     não se sabe o tempo
em que foi gerado
     se repente
ou ruminante
     o fato é que é
dissonante e raro
     quando vai
o poema inteiro
     quase que
num terço de pensamento

a corda bamba

flutua nas rodas
da coletividade
esbarra anseios
no quadro e no jogo
pedala rumos
do pensamento
expõe guiDom
por entre pedras
e revela:

- esse abismo de agora eu quero voar ou cair em movimentos
  circenses de um homem e sua bicicleta em corda bamba.








18 fevereiro, 2011

rio reticente

~
esse cara
me tira do sério
de nau ou corsário
derivo em mistério
~
por ele
eu rasgo salário
eu rogo adultério
eu saio do armário
~
não penso
sou só revertério
pareço otária
não tenho critério
~
 rio rimas pra não chorar mares
~

16 fevereiro, 2011

tarde metade

para entender de metáforas é preciso metê-las entre vida e gestos

incompreensíveis são os gemidos que não escapam

e os olhares que nunca se perdem