21 outubro, 2008

visita

saíram já era de madrugada e chovia. burlaram a rodovia iluminada e foram costurando ruas com fumaça e passo. comemoravam o reencontro e entendiam que aquela noite seria singular. de frente pro mar, conversaram num banco, balançando as pernas. não se conheciam de infância, mas da adolescência. dos tempos do jacó e dos chocolates na porta do parque. é preciso dizer que nessa época não se confiavam muita prosa. isso só foi acontecer, só foi acontecendo quando se perceberam perdidas. e perdidas, viram como eram parecidas. depois das primeiras lágrimas, entraram no 24h, escolheram a mesa do canto, com quatro cadeiras, uma quebrada. beberam a primeira que a garçonete fortinha trouxe em poucos minutos. não sei se brindaram. e tiveram uma conversa que poucas vezes acontece entre os humanos. porque não acontecia de precisar esconder nada entre elas. o que era dito era sentido, mesmo quando não tinha sentido algum. tomaram várias, fumaram vários. quer dizer, uma só fumou vários, a outra comia azeitonas. lá fora clareava quando quiseram levantar. abraçadas, cantaram. numa ressaca lisérgica, enquanto uma na estrada, a outra nescau de colherinha. sabiam que se sabiam muito depois daquela noite.

3 comentários:

Dennis disse...

Passei para deixar um abraço. Continuo visitando. Bj grande!

Carla Mota disse...

olha, vc voltou, veja veja, so saquei que era pra valer ao ler o 24 hrs, kkkk. Pode nem ser pra valer.. pode, não pode....

Ba disse...

Passei na porta deste bar, nesta mesma noite... Fui atraída pelas vozes de duas meninas e da cantora que interpretava "Léri bi, léri bííííí". Quando entrei vi duas mulheres se abraçando e comendo azeitonas verdes compulsivamente, não eram duas meninas... E pelo que pude perceber da conversa falavam sobre a própria existência, sobre as dores e delícias de serem quem são. Achei interessante aquela mistura de choro, riso e azeitonas... fiquei observando. Lá pras tantas a cantora foi embora. As duas sorriram, e ao som de Zeca Pagodinho, descobriram que se amam demais, descobriram sem querer a vida, verdade... :)
Confesso que fiquei preocupada quando levantaram para ir embora em zigue zague, fazendo planos de gritar nas pedras e depois mergulhar no mar... Mas logo ví que eram só duas irmãs tomando um porre de vida, de amor, e que Iemanjá cuidaria delas, pq naquela noite elas já tinham mergulhado profundo em algum lugar...